Saiba como identificar se seu cão é idoso e conheça 5 cuidados essenciais

Seu cão é idoso? Saiba como identificar e conheça 5 cuidados essenciais

Cuidados com cão idoso vão de alimentação especial à adaptação de exercícios físicos

Com o passar dos anos nossos cães idosos deixam de se comportar da mesma maneira que antes, quando eram mais jovens. Alguns problemas podem começar a surgir e as idas ao consultório veterinário devem se tornar mais frequentes.

Diversos sinais indicam que o animal está envelhecendo e você, como tutor, se preocupa em proporcionar qualidade de vida ao seu animal de estimação.

Mas isso também é novidade para você e as preocupações são muitas, não? Como saber se meu cão realmente está idoso? No que devo prestar atenção? O que muda nos cuidados? Como posso garantir que meu pet viva essa fase com melhor qualidade de vida?

Entendemos a sua preocupação e, por isso, a Vetnil® preparou algumas dicas de cuidados para o seu cão idoso. Confira!

Meu cão é idoso?

Antes de começar a pensar em quais cuidados devemos tomar para garantir qualidade de vida aos animais idosos, é preciso prestar atenção nos sinais do seu envelhecimento.

Como saber se meu cão está idoso? Essa resposta depende de vários fatores, dentre eles, o porte e a raça. Cães de pequeno porte normalmente são considerados idosos a partir dos 12 anos. Enquanto cães de grande porte, a partir dos 9 ou 10 anos de idade. Entretanto, há exceções a essas faixas etárias, por isso é importante avaliar outros fatores em conjunto.

Nesse sentido, há alguns sinais que os animais podem apresentar que indicam se estão ou não próximos dessa fase. Segundo a médica-veterinária Maria Alessandra Martins Del Barrio, especialista em Medicina Felina e Geriatria Veterinária, alguns deles são:

1 – Surgimento de pelos esbranquiçados;

2 – Cheiro mais forte, especialmente no hálito;

3 – Dificuldades na locomoção;

4 – Comportamentos compulsivos, como andar em círculos;

5 – Cansaço excessivo e sonolência;

6 – Dificuldade em enxergar e desconforto em ambientes escuros;

7 – Problemas de audição;

8 – Maior sensibilidade a mudanças bruscas de temperatura.

Apesar de os sinais citados acima serem mais comuns quando os cães atingem a maturidade, Martins Del Barrio explica que alguns deles podem começar a surgir ainda na fase madura, ou seja, a partir dos 7 anos em cães de pequeno porte e a partir dos 5 anos em cães de grande porte.

O importante, reforça a veterinária, é que, logo que os sinais começarem a aparecer, o cão deve fazer uma visita ao veterinário geriatra.

Quais são os principais cuidados com o cão idoso?

Com as mudanças de comportamento e hábitos, surgem novas necessidades para cuidar do seu cão. Assim, é de responsabilidade do tutor se atentar a essas mudanças e procurar fazer adaptações para continuar proporcionando qualidade de vida na maturidade canina.

Pensando nisso, a Vetnil separou alguns cuidados especiais para ter com o seu cão idoso. Acompanhe!

Atenção à alimentação

A ingestão de nutrientes por cães pode diminuir conforme envelhecem, mas a atividade física também pode diminuir, além de várias outras mudanças que acontecem no cão idoso e podem influenciar a quantidade de energia e nutrientes que ele precisará receber. Por isso, é necessário verificar e possivelmente mudar alguns hábitos alimentares.

É sempre importante consultar o seu veterinário para que ele oriente como mudar a alimentação do seu cão. Só o profissional conseguirá avaliar e entender todas as alterações que surgem com o envelhecimento e verificar especialmente quais mudanças o seu cão está passando. No geral, a principal recomendação é oferecer alimentos balanceados para essa fase da vida.

Assim, alguns nutrientes ganham maior importância em idosos, sendo importante suplementá-los, como inositol, colina, vitaminas, ômega 3, sulfato de condroitina, taurina, prebióticos, probióticos etc.

Cuidados com a mobilidade restringida

Com a idade, problemas como artrite, artrose e doenças nas articulações podem começar a surgir. Por esse motivo, cães idosos podem ter sua mobilidade reduzida.

Existem tratamentos para melhorar a qualidade de vida dos cães que sofrem com esse tipo de problema, porém, os tutores têm um papel fundamental em adaptar o espaço de seus cães para lhes proporcionar mais conforto.

Assim, manter a cama ou o local de descanso próximo ao comedouro e bebedouro do seu cão vai contribuir para a comodidade dele. Além disso, facilitar o acesso ao local onde ele faz as necessidades também é imprescindível. Lembre-se que é fundamental observar como seu cão caminha, se demonstra dificuldade e o quanto isso o impede de executar as atividades cotidianas. Qualquer sinal observado deve ser avaliado pelo médico-veterinário, pois quanto antes o tratamento for instituído, mais rápida e fácil será a recuperação.

E se você quiser saber mais sobre doenças articulares em pets, o médico-veterinário Gustavo Vicente fala sobre os cuidados gerais com as articulações de cães e gatos.

Acompanhe nosso canal no Youtube para mais informações sobre cuidados com os seus animais de estimação!

Adaptação dos exercícios físicos

Cães idosos precisam de uma rotina de exercícios para se manterem saudáveis, mas com algumas adaptações.

Muito por conta dos problemas de mobilidade e da redução de energia, cães idosos têm dificuldades de se movimentar. Contudo, os passeios e as brincadeiras devem continuar a acontecer para que ele interaja com o ambiente, outros cães e controle o seu peso, evitando, assim, problemas de sobrepeso e obesidade.

Nesse sentido, é responsabilidade do tutor proporcionar atividades em menor intensidade, quantidade e duração e, sempre que necessário, com adaptações, a fim de manter o cão ativo e saudável.

Cuidados com as mudanças de temperatura

Outra mudança que pode ocorrer no envelhecimento de cães é a sensibilidade a mudanças bruscas de temperatura. Por conta da maior vulnerabilidade de seu sistema imunológico, cães com idade avançada são mais propensos a contrair doenças em períodos mais frios.

Por isso, mantenha o local de dormir e seus pertences em locais arejados e com iluminação direta, mas longe de correntes de vento.

Socialização com outros pets

Com o avançar da idade, os cães podem não ter mais disposição para interagir com outros animais. Além de ficarem mais cansados, muitos apresentam problemas de mobilidade e ter um cãozinho jovem e muito animado por perto pode deixá-lo irritado. Além disso, animais mais velhos podem ter maior dificuldade de se adaptar a novas situações, seja uma mudança de ambiente ou a chegada de um novo membro à família. Por isso, qualquer mudança, se necessária, deve ser feita aos poucos, respeitando o novo período de adaptação do seu pet.

A importância de levar o cão idoso ao veterinário

Todas as dicas de cuidados que acabamos de repassar a você são de extrema relevância para manter a qualidade de vida do seu cão durante a idade mais avançada. No entanto, nada substitui o acompanhamento de um médico-veterinário.

Cães idosos precisam mudar de estilo de vida, mas cada um tem necessidades diferentes. Assim, somente um profissional qualificado pode fazer as recomendações específicas que o seu animal precisa.

Portanto, ao perceber que seu cão apresenta sinais de envelhecimento, as visitas ao veterinário devem se tornar mais frequentes. Exames e avaliações em consultório devem ser feitos, no mínimo, a cada seis meses para garantir o monitoramento da saúde do seu animal, sendo que outras condições ou doenças, que o pet eventualmente possua, podem exigir um acompanhamento em intervalos menores, especialmente se houver uso contínuo de um medicamento.

Fonte: Vetnil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.