Comportamento canino e a influência da personalidade do humano

Seu cachorro é daqueles bastante sociáveis e fiéis, mas que possui medo de algumas situações? Saiba que o motivo pelo qual ele sente pavor de algo ou alguém pode ser você. É o que diz uma pesquisa norte-americana sobre comportamento canino.

Um estudo da Escola de Medicina Veterinária da Pensilvânia, nos Estados Unidos, apontou que o comportamento dos cães provém da personalidade do seu pai ou mãe humanos. Isso mesmo, a maneira de como você se comporta pode influenciar na conduta do seu pet.

Depois de mais de seis meses de experimento com 262 voluntários, os pesquisadores, analisando o comportamento dos humanos e dos cães ao mesmo tempo, descobriram que pais mais introvertidos podem ter relações negativas com cães medrosos quando há a necessidade de algum tipo de tratamento dos pets.

Por outro lado, no caso dos pais humanos considerados mais extrovertidos, que demonstraram ser mais abertos a novas experiências, foi constatado que eles tinham cães mais sociáveis e bem-educados com pets e pessoas desconhecidas.

Além disso, os cães com pais extrovertidos demonstraram menos medo de sons ou estrondos altos, como fogos de artifício, por exemplo, ou em situações nunca vividas.

“Essas descobertas podem ser usadas por médicos veterinários para formular prognósticos mais precisos e fornecer aos proprietários conselhos direcionados para reduzir a influência de fatores externos nas respostas dos cães às intervenções clínicas comportamentais”, destacaram os pesquisadores da Universidade da Pensilvânia.

O que tirar de lição desse estudo? Por exemplo, muitos cachorros têm medo de fogos de artifício, e muitos deles desenvolveram isso graças ao pai humano, que demonstra estar assustado ou preocupado e apreensivo a cada estrondo próximo de casa.

Então, é fundamental que todos os pais tenham atenção em relação à própria conduta para não afetar o comportamento canino. Uma pessoa ríspida e pouco sociável, provavelmente, segundo o estudo, terá um cachorro ríspido e quase nada sociável – e assim por diante…

Se esforçar e pensar no bem-estar social e emocional do seu pet é muito importante para que ele tenha qualidade de vida e seja um cachorro feliz e seguro.

Fonte: Petlove

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.