Giardíase em Gatos?

Você sabia que além dos cães, gatos também podem se infectar com giárdia?

A giardíase é uma infecção causada por protozoários flagelados do gênero Giardia spp., que habitam o trato intestinal de uma ampla variedade de espécies de vertebrados, incluindo os animais de companhia e humanos. É uma infecção de alta relevância na clínica médica de pequenos animais, possuindo maior incidência em cães, porém os gatos também podem ser infectados, representando uma prevalência de 10%. Também é caracterizada como zoonose, podendo ser transmitida também para os humanos, por isso os tutores devem ter cuidado ao manusear as fezes de animais acometidos.

Os animais de companhia desempenham um relevante papel como hospedeiros de protozoários gastrintestinais, permitindo uma transmissão fecal-oral através de contato direto com fezes contaminadas ou ingestão de alimentos e água contaminados com as mesmas. Os protozoários do gênero Giardia se encontram no intestino delgado dos animais infectados (na forma de trofozoíto), onde permanecem aderidos à mucosa. As formas infectantes, também denominadas cistos, são eliminados juntamente com as fezes e podem permanecer infectantes por vários meses em ambientes úmidos.

A giardíase é mais frequente em gatos e cães filhotes, com imunidade comprometida, condição nutricional ineficiente e não vermifugados. Porém, adultos também podem apresentar raramente manifestações clínicas da infecção, ou muitas vezes serem assintomáticos.

Nos gatos, o período que decorre entre a infecção e o aparecimento dos primeiros sinais clínicos varia de 5 a 16 dias. O sinal clínico mais comum é intestinal, através de diarreias com coloração pálida e fétidas. Essas diarreias podem ser agudas, crônicas ou intermitentes, porém alguns animais podem não apresentar sinais clínicos, sendo portadores, eliminando assim os cistos continuamente, mantendo o ambiente frequentemente infectado. A doença pode apresentar caráter grave em filhotes e animais imuno comprometidos, pois as diarreias acompanham quadros de desidratação e perda de apetite, apresentando retardo no crescimento.

O diagnóstico da infecção ocorre através de exames laboratoriais, como exames coproparasitológicos, onde são encontrados nas fezes os cistos da Giardia. Ou outro método utilizado também é o Elisa, que detecta antígenos nas fezes. Ambos muitas vezes podem ser inespecíficos, por isso os sinais clínicos também são considerados.

O tratamento instituído pelo Médico Veterinário é com o uso de antibióticos, que não devem ser utilizados em fêmeas prenhes, associados à vermífugos. Além do uso de produto à base de amônia quaternária para limpeza do ambiente, inativando assim os cistos para que não ocorra reinfecção dos animais.

Por isso a melhor maneira de prevenir a Giardíase é realizando a vermifugação frequente, com vermífugos à base de Febantel que fazem a prevenção contra o protozoário Giardia spp., além da aplicação de vacina contra o mesmo. Consulte sempre o Médico Veterinário para que ele possa lhe informar a melhor maneira de prevenção.

Fonte: Mundo Animal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.