PUG. Conheça uma das raças mais antigas que existem

Essa raça é uma das mais antigas que existe. Foram encontrados indícios de cachorros muito parecidos com o Pug datados de 1700 antes de Cristo! No entanto, não se tem certeza absoluta de sua origem. Existem teorias de que o Pug surgiu do cruzamento de diversas outras raças como o Pequinês ou ainda o Mastife Francês.

O que se tem certeza é de que os Pugs surgiram em algum local da China e eram cachorros pertencentes à realeza. Esses cãezinhos foram levados para a Holanda e a partir de lá atingiram outros países da Europa onde receberam diferentes nomes. Na França ficaram conhecidos como “Carlin”, na Espanha como “Dugollo”, na Alemanha eram os “Mops” e na Itália eram chamados de “Caganlino”. Os Pugs chegaram aos EUA após a Guerra Civil e foram reconhecidos como raça oficial pelo Kennel Club em 1885.

Pelagem
Os pelos do Pug são bem curtinhos, finos e macios. As cores da raça são: prata, abricó, fulvo e preto. Ter o focinho e as orelhas pretas também faz parte das características da pelagem do Pug. Soltam bastante pelo durante o ano todo, por isso uma escovação diária ajuda a retirar os pelos mortos e evitar que caiam e se espalhem pela casa toda. Você pode usar uma luva específica para pets caso a tarefa não seja tão satisfatória com o uso de uma escova comum.
A anatomia do Pug não é muito favorável para a sua saúde, por isso ele precisa de bastante cuidado e um acompanhamento de perto. As ruguinhas, tão características desse cachorro, precisam de uma atenção especial – já que são propícias à proliferação de fungos e bactérias, por isso é preciso sempre limpá-las com um pano seco, lenço umedecido para cães ou com produtos específicos indicados por um médico veterinário.
Outra questão muito importante da saúde dos Pugs está relacionada com a dificuldade deste animal de trocar calor com o meio. Os cachorros utilizam a respiração (aquela mais ofegante, sabe?) para trocar o calor e manter a temperatura corporal equilibrada. Como os Pugs possuem o focinho muito achatado, esta ação é mais difícil – o que faz com eles sofram demais com temperaturas altas, tendo grandes chances de desenvolver um quadro de hipertermia, que pode levar a morte. Por isso uma atenção mais do que redobrada é necessária, mantendo esses animais sempre em ambientes frescos e arejados. Eles também precisam de cuidados com os olhos (que são mais saltados), podem apresentar alergias e precisam de uma alimentação bem balanceada para controlar o peso e evitar a obesidade, que é uma das tendências da raça.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.